O site da Família O'Melete utiliza cookies. Saiba mais sobre nossas Políticas de Cookies clicando aqui. Ao navegar você concorda com a sua utilização.
Saiba mais sobre os cookies em nossa Advertência Jurídica e Políticas de Privacidade

Disciplina Positiva: Porque punição não é o melhor caminho?

Disciplina Positiva: Porque punição não é o melhor caminho?

Muitas pessoas acham certo dar umas “palmadinhas” para educar os filhos. É comum ouvir coisas do tipo: “bater pode, só não pode espancar!” ou “uns tapinhas para educar não matam ninguém!”. Quem nunca ouviu “meu pai me bateu muito e eu agradeço a ele por isso!” e até “precisa bater para impor respeito”?!

Mas como vamos estabelecer qual o momento em que deixamos de dar tapinhas e começamos a espancar de fato?

Se você pode bater no seu filho para educá-lo, então tudo bem se um professor der uns tapinhas nele quando se comportar mal. Afinal, bater educa e impõem respeito, não é mesmo?

Se seu chefe lhe der uns tapinhas, só para impor respeito e mostrar a você quem manda?

A Punição e suas consequências

A punição (castigo físico ou moral) pode até funcionar para interromper um comportamento inadequado de maneira imediata, mas a que custo?

De modo geral e a longo prazo, as crianças, inconscientemente, tomam algumas decisões equivocadas em resposta à punição. Jane Nelsen, autora do livro Disciplina Positiva, chama de os Quatro R’s da punição:

  1. Ressentimento: “Isso não é justo, não posso confiar nos adultos.”2.
  2. Retaliação: “Eles estão ganhando agora, mas vou me vingar.”
  3. Rebeldia: “Vou fazer exatamente o contrário para provar que eu não tenho que fazer do jeito deles.”
  4. Recuo, que se divide em dois:
    a) Dissimulação: “Não serei pego da próxima vez.”
    b) Redução da autoestima: “Sou uma pessoa ruim, má.”

Uma educação rígida e controladora passa a mensagem de que a criança não merece ser amada, que ela não é capaz, fazendo com que ela assuma um papel de criança má e passe a repetir maus comportamentos ou vire um bajulador, viciado em aprovação, para obter um amor que julga não merecer. E essa mensagem errada traz consequências para a vida toda.

Pense em como você se sentiria se depois de cometer um erro seu chefe gritasse com você e como punição, deixasse você sem o que você mais gosta, o seu salário? Você se sentiria motivado a melhorar, a colaborar com seu chefe e com a empresa para que não aconteçam mais erros.

Desde quando culpa, vergonha ou dor (física ou emocional) são motivações para bons comportamentos?

Pesquisas mostram que crianças expostas a grandes quantidades de punições tornam-se rebeldes ou extremamente submissas.

Normalmente quem adota essa postura de rigidez e punição, acha que só existem dois caminhos para educar os filhos: a rigidez ou a permissividade. Mas não é bem assim, existe um caminho melhor e mais eficiente, principalmente a longo prazo, que equilibra a disciplina com amor e respeito: a disciplina positiva.

Disciplina Positiva

É um meio termo respeitoso entre a permissividade e a punição, onde utiliza-se de ferramentas e técnicas que são ao mesmo tempo gentis e firmes e ensinam valiosas habilidades sociais e de vida.

A disciplina positiva foca na solução e não nas consequências e na responsabilidade do adulto sobre o comportamento da criança. Porque é muito mais importante descobrir como solucionar definitivamente um mau comportamento do que pensar em uma consequência (punição).

E nós, adultos, temos responsabilidade, e não culpa, sobre o comportamento das nossas crianças. Muitas vezes, a forma como agimos pode evitar que elas se comportem mal.

Acreditamos que temos o poder de mudar o mundo através dos nossos filhos. Quando lhes tratamos com dignidade e respeito estamos ensinando a tratar os outros da mesma maneira. Com essa forma mais gentil e respeitosa de educação, estamos ajudando nossos pequenos a
desenvolverem habilidades de vida importantes para a formação do seu caráter, para que eles possam disseminar isso para o mundo.

Crianças aprendem através do exemplo: quando você bate no seu filho porque ele fez algo que lhe desagradou, ele automaticamente aprende a mensagem que ele pode bater nos coleguinhas da escola ou até mesmo nos pais e professores quando se sentirem desagradados.

Mas quando as tratamos com respeito, empatia, dignidade e igualdade, quando validamos suas emoções e ensinamos como lidar com elas e quando ensinamos a criança a compreender as situações e buscar soluções para os problemas, elas vão passar a replicar esse comportamento em suas vidas, tratando as pessoas ao seu redor com o mesmo respeito e dignidade com os quais são tratadas.

A disciplina positiva é baseada em respeito mútuo e cooperação

É comum associarmos disciplina à punição, ou achar que punir é uma forma de ensinar disciplina. Mas a palavra “disciplina” vem do latim discipulus que significa “seguidor da verdade, do princípio” ou “líder venerado”. E nossos filhos só se tornaram seguidores da verdade e dos princípios se a motivação for interna.

Punições e recompensas são motivações externas fazendo o adulto estar constantemente responsável pelo comportamento da criança.
Deixa-me explicar melhor: A criança vai se comportar “bem” somente na frente do adulto, para que ela possa receber a recompensa por esse bom comportamento.

Quando o adulto não estiver presente, ela não vai se preocupar em ter um bom comportamento, porque não receberá nada com isso. Então o adulto precisa flagrar a criança se comportando mau para aplicar o castigo ou punição.

Dessa forma a criança nunca vai desenvolver senso de responsabilidade, porque os adultos assumem a responsabilidade por ela, mesmo sem saber que estão fazendo isso.

Cabe a nós, adultos, propiciar oportunidades para que nossos filhos desenvolvam habilidades que vão lhes ajudar pela vida toda.

No próximo texto vamos falar sobre quais são essas habilidades e como podemos estimular o desenvolvimento delas através da disciplina positiva.

Confira mais em nossa fanpage no Facebook ou pode nos mandar dívidas e sugestões através do nosso email

Envie seu comentário

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE